Pular para o conteúdo principal

EGUN




Egun pode ser singelamente traduzido como “pessoa morta”, mas seu significado pode ter variações de acordo com a nação do Candomblé ou de Umbanda. No Candomblé Nagô, por exemplo, quer dizer “Osso” (uma analogia a caveira).

Para ambos Egun é o espírito de uma pessoa falecida e não um Orixá. Para algumas nações de Camdomblé os catiços tratados na Umbanda como os Caboclos e Pretos Velhos seriam uma espécie de Eguns por serem espíritos de pessoas falecidas ( índios de uma tribo ou africanos de outra). Para algumas raízes de Umbanda, o Egun é um tipo de espírito de pouca luz.

Para algumas casas de Candomblé  todo quiumba é um egun, mas nem todo egun é um quiumba. Embora instáveis, os eguns podem ser nossos antepassados e não necessariamente espíritos revoltos e maldosos. Sabemos que os “catiços”são recebidos, reverenciados e respeitados dentro dos terreiros, em especial de Umbanda. São espíritos de muita luz que prestam sua caridade através de atendimento mediúnico. Na Umbanda é comum atribuir a carga a Egun/quiumba sendo ambos espíritos de baixa luz (cada um com seu propósito).  

No Candomblé a casa de Egun é administrada geralmente fora do ilê, pois o Egun pode atrair outros eguns e prejudicar alguém mesmo sem a clara intenção. Em alguns terreiros de Candomblé, realiza-se anualmente a festa para os Eguns, mas estes seres representam antepassados (alma dos Babalorixás, Yalorixás, Ekedis, Ogans, Yawos ou Filhos de Santo do terreiro, já falecidos).

A Festa de Egun tem por finalidade não só prestar-lhes uma homenagem, como ajudá-los a ocupar o seu lugar dentro da casa de Egum. Em algumas doutrinas somente após 7 anos de morte é que um Egun tem entendimento do seu papel no plano espiritual.

A casa de Egun é indispensável em qualquer terreiro mesmo que não a festejem-na. Casa de Egun não precisa ser grande, basta separar um local onde são colocados recipientes contendo alimentos da sua vibração. As louças usadas podem ser louças quebradas ou rachadas simbolizando a vida que se partiu.

Na Umbanda embora não se use este nome, o cruzeiro das almas ou local onde se ascende vela para as almas no terreiro pode ser aproximado com este lugar. Na Umbanda não se ascende velas para as almas dentro de casa, muitas vezes nem dentro do terreiro.

No Candomblé não se faz festa de Egun dentro do terreiro. Estas festas são realizadas ao ar livre (vide muitos vídeos de internet). Nessas ocasiões observa-se o fenômeno de materialização de alguns Eguns sobre a palha.

Como em qualquer outra cerimônia, a Festa de Egun também começa pelo Padê de Exú. Em seguida, canta-se para todos os Orixás oferecendo cada um dos presentes uma moeda por sua presença. Colocamos então as moedas em uma panela de barro que se encontra no centro do evento e a sua volta se dá cantos e danças específicas de invocação.

Antes de iniciar os cânticos todos os filhos da pessoa morta – para quem se vai cantar – devem voltar-se em direção a casa de Egun e pedir licença. Durante toda a cerimônia, os Ogês ou Anixás seguram uma vara listada de preto e branco, o Ixã, com o qual procurarão conter os Eguns, em caso de necessidade.


Casas de magia negra e quimbandas utilizam Eguns e quiumbas para prática de maldade. Há de se observar que a maldade não está na religião, mas no enfoque que é dado a ela e aos seus rituais. O Egun para religiões africanas são feitos com grande respeito ainda mais por se tratar dos nossos ancestrais. Já os eguns pagãos ou espíritos de baixa luz, independente do nome que tenham acabam por executar o mau em troca de entregas e pedidos.   


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHOS COM CABEÇA DE CERA NA UMBANDA

INTRODUÇÃO A Cabeça é o lugar mais sagrado para o Umbandista. É ali que vive o seu Ori, sua coroa, sua mente, seu cérebro, o início dos seus chacras, etc. Trabalhos com cabeça de cera devem ser feitos por pessoas experientes e fundamentadas. Na dúvida sobre o que ou como fazer, sempre consulte o pai de santo de sua confiança.  CABEÇA DE CERA PARA OXUM: PEDIDOS E PROMESSAS Oxum (Nossa senhora de aparecida) é muito conhecida por receber cabeças de cera em seus trabalhos, seja ele para amor (embora a Umbanda em si seja contra trabalhos de amarrações) ou para outros pedidos.  Em São Paulo está localizado o Santuário de Aparecida do Norte. Lá é recebido diariamente muitas peças de cera em pedido ou agradecimento de graças alcançadas por seus fiéis.  Podemos fazer cabeça de cera para cura, para melhorar os pensamentos, clarear as ideias, etc.  CABEÇA DE CERA COM YEMANJÁ: CALMA, LIMPEZA E DISCERNIMENTO.  Yemanjá é a mãe de todos. Este trabalho é indicado para ac

VELAS E SUAS DEFORMAÇÕES: "MINHA VELA BORRADA, O QUE ISSO QUER DIZER?"

INTRODUÇÃO A Umbanda é uma religião que trabalha com energia, portanto, ela pode se movimentar de ponta a ponta, de forma neutra ou intencionada. Sendo intencionada, podemos identificá-la como positiva ou negativa, recebida ou negada, desviada, redirecionada, etc. Se formos olhar a definição de dicionário, "energia" nada mais é do que a capacidade de um corpo, objeto ou molécula realizar seu trabalho. Se formos pensar em "energia de vela", seria a capacidade que a vela tem de executar o seu trabalho (quebra demanda, proteção, maldade, reversão, desvio, anulação, potencialização, cobrança, correção, direcionamento, etc).  Muitas pessoas que acendem velas se perguntam: "Olha como minha vela ficou", o que isso quer dizer? Para responder essa pergunta primeiro é necessário levantar quais variáveis borram uma vela. Sua vela pode borrar por estar exposta ao vento (ventilador, janela aberta, porta aberta, alguém que passou correndo, etc), pode

POR QUE OS ORIXÁS COBREM O ROSTO NO CANDOMBLÉ?

Foto de Oxum Recebi esta pergunta de um internauta neste mês de junho e embora o nosso blog seja voltado ao estudo da doutrina espírita, é sempre muito válido estudarmos as outras religiões espíritas. Conhecimento nunca é demais! Para responder a esta pergunta vamos ter que recorrer a um pouco de "História". Há muito tempo atrás, em especial na África, os primeiros reis e rainhas eram tidos como sagrados, como se fossem seres escolhidos pelos deuses para reinar na terra e, portanto, muito elevados em relação ao seu clero, sua população, povo, etc. Elevados ao ponto destes não serem dignos de verem os seus rostos.  Nas roupas de santo do Candomblé, muitas nações em cobrem os rostos dos filhos com Adês (Coroas) análogas a da realeza. Muitas delas acompanham uma espécie de cortinas em forma de franja de miçangas (Imbé), como respeito ao Orixá e de certa forma dizendo que não somos dignos de ver o seu rosto quando incorporado em terra. A derivação de outros materia