Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2017

A SABEDORIA POR DE TRÁS DAS MIRONGAS DE PRETO VELHO

"Foi nas almas, nas almas que eu conheci a macumba...foi foi foi..." A linha de preto velho é uma das mais antigas da nossa religião e antecede a Umbanda, ou seja, antes do seu nascimento já existiam os trabalhos com incorporação de Preto Velho. Esta linha carrega a simbologia do tempo da escravidão e como tal todo seu asé, mironga e magia.  Vou contar uma história à você leitor que vai traduzir melhor que muitas palavras "o que está por de trás da mironga de um preto Velho". PAI JOAQUIM E A SOPA DE ESPINHA DE PEIXE Certo dia Pai Joaquim ainda encarnado voltou para senzala depois de um longo dia de trabalho. Era o mais velho vivo naquela unidade e durante a noite foi procurado por um negro forte e robusto que fazia os trabalhos pesados da fazenda. Ele reclamava de dores constantes na lombar, nos joelhos e nas articulações.  Pai Joaquim já era iniciado no Candomblé trouxe naquela noite a energia do seu Obaluaê para benzer aquele filho. Como n

A MELHOR E A PIOR COISA NO MUNDO: UMA VISÃO DE EXU

Os Orixás estavam em festa e Oxalá mandou chamar Exu (o senhor dos caminhos) que já havia andado pelo mundo todo e provavelmente já tivera conhecido um pouco de tudo. Oxalá pediu a Exu que lhe preparasse o melhor prato já visto e que nele simbolizasse além do sabor, a força do ser humano.  Exu preparou uma língua com molho agridoce e disse a Oxalá: "A palavra do ser humano não tem fronteiras, usam para rezar, para ampliar e passar conhecimento, para dizer palavras de amor, expressar seus sentimentos, agradecer, elogiar, etc". Oxalá terminou a refeição e pediu a Exu que agora trouxesse o pior prato do mundo e agora que sintetizasse o que há de ruim nos seres humanos. Exu trouxe a mesma língua, só que agora no dendê, dizendo: "A mesma língua que fala o bem fala o mau, esta língua representa a inveja, a falsidade, a ingratidão, o ódio, a raiva, a ira, a gula, a avareza e todos os outros defeitos existentes no ser humano". Oxalá pergunta a Exu, "c