Pular para o conteúdo principal

A HISTÓRIA DO EXU SETE COVAS

Autor: Eduardo de Oxossi (Dirigente espiritual do T.U.S. Caboclo Pena Verde e Flecheiro de Aruanda).



Sempre que lermos um texto "a história do guia tal" devemos ter em mente que aquela história é daquele guia e não da falange toda, ou seja, neste texto, por exemplo, vamos contar a história de um Exu Sete Covas e não a história de toda falange Sete Covas. Na dúvida sobre este assunto, procure o pai de santo de sua confiança e conheça a doutrina da casa que você frequenta. 

Se você trabalha com Exu Sete Covas, ele mesmo pode lhe contar a história dele ou à um cambone se for permitido. Boa leitura! 

EXU SETE COVAS



Exu Sete Covas em vida foi um escravo muito bonito que era protegido pelas mulheres brancas de sete fazendas da região. As mulheres (donas e sinhás usavam o escravo entre elas como objeto de desejo sexual na ausência de seus maridos). Mascaravam, esta situação alegando que o escravo era um ótimo funcionário para serviços pesados domésticos. 

Certa vez ele foi descoberto por um dos 7 fazendeiros e este decretou a sua morte através do desmembramento, ou seja, teve o seu corpo amarrado a 7 cavalos (um de cada fazenda) e estes puxavam-no em direções opostas até ter o seu corpo esquartejado. 


A raiva dos fazendeiros era tanta que pediram aos capatazes para sair arrastando os membros pelas 7 fazendas da cidade. Seus restos mortais se dividiram em sete e foram enterrados em sete covas diferentes para que não pudesse nem em pensamento voltar a vida e para que cada uma destas mulheres tivessem como lembrança o que acontece com quem desafiava o poder dos fazendeiros. Este castigo era o preferido deste fazendeiro em específico para punir os escravos e pessoas que a ele tivesse a audácia de enfrentar. Inclusive, mandou matar a esposa da mesma maneira. 


Este escravo foi resgatado como um quiumba revoltado, pois não teve se quer como se defender, e pior, havia se apaixonado por uma das sinhás. Ganhou a oportunidade de trabalhar na linha de Exu Sete Covas e uma das cosias que ele mais gosta de combater é o abuso de poder, o combate aqueles que agem de forma injustas e desleais para ganhar suas batalhas e conseguir as suas coisas, aqueles que agem na traição e usam a morte não como uma forma de clemência e finitude de ciclos, mas usam-na invertidamente como forma de agonia, dor e sofrimento. 

Reparou seus erros, pois em vida também não tinha o direito de compactuar com aquelas situação de traições e aprendeu a ser um espírito muito leal à quem o carrega e à quem merece. 


Através do mistério das Sete Covas este Exu se aperfeiçoou no mistério da morte, no mistério de Omolu. Ele conhece a morte indo e vindo pelas sete Catacumbas, pelos 7 tronos de Deus, pelas sete linhas de Umbanda e Quimbanda. Na foto abaixo, temos uma imagem popular do Exu Sete Covas na Quimbanda. 



Seu Sete Covas está presente em alguns terreiros ensinando seus médiuns e consulentes a aceitar e entender o termino de ciclos, pois a morte na visão de Omolu não é apenas o término da vida, mas pode significar términos necessários para nossa evolução. Seu Sete Covas leva para o túmulo tudo aquilo que precisa ser desgastado, diluído, concluído, finalizado, terminado, ou seja, ele tem sete caminhos para colocar seus pontos finais.  

É um ótimo Exu para colocar término em brigas, vícios, traições, dores, sofrimento, demandas, etc. Laroye seu sete Covas! 

PONTO CANTADO DE EXU SETE COVAS






Comentários

  1. O sete covas ele na verdade era um gratiao da igreja e irmão do sete catacumbas

    ResponderExcluir
  2. Eu sei porque o próprio sete catacumbas me falou

    ResponderExcluir
  3. Será pq ele me escolheu queria saber ?

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho ele mais não e muito de falar sobre ele gostaria de saber mais sobre ele

    ResponderExcluir
  5. Trabalho com este Exu
    E a história bateu com a que ele me passou através da cambone aq do meu terreiro,quando eu li me arrepiei td....

    ResponderExcluir
  6. Eu descobri hj q tenho esse exu só trabalhei com ele 2 vezes

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHOS COM CABEÇA DE CERA NA UMBANDA

INTRODUÇÃO A Cabeça é o lugar mais sagrado para o Umbandista. É ali que vive o seu Ori, sua coroa, sua mente, seu cérebro, o início dos seus chacras, etc. Trabalhos com cabeça de cera devem ser feitos por pessoas experientes e fundamentadas. Na dúvida sobre o que ou como fazer, sempre consulte o pai de santo de sua confiança.  CABEÇA DE CERA PARA OXUM: PEDIDOS E PROMESSAS Oxum (Nossa senhora de aparecida) é muito conhecida por receber cabeças de cera em seus trabalhos, seja ele para amor (embora a Umbanda em si seja contra trabalhos de amarrações) ou para outros pedidos.  Em São Paulo está localizado o Santuário de Aparecida do Norte. Lá é recebido diariamente muitas peças de cera em pedido ou agradecimento de graças alcançadas por seus fiéis.  Podemos fazer cabeça de cera para cura, para melhorar os pensamentos, clarear as ideias, etc.  CABEÇA DE CERA COM YEMANJÁ: CALMA, LIMPEZA E DISCERNIMENTO.  Yemanjá é a mãe de todos. Este trabalho é indicado para ac

VELAS E SUAS DEFORMAÇÕES: "MINHA VELA BORRADA, O QUE ISSO QUER DIZER?"

INTRODUÇÃO A Umbanda é uma religião que trabalha com energia, portanto, ela pode se movimentar de ponta a ponta, de forma neutra ou intencionada. Sendo intencionada, podemos identificá-la como positiva ou negativa, recebida ou negada, desviada, redirecionada, etc. Se formos olhar a definição de dicionário, "energia" nada mais é do que a capacidade de um corpo, objeto ou molécula realizar seu trabalho. Se formos pensar em "energia de vela", seria a capacidade que a vela tem de executar o seu trabalho (quebra demanda, proteção, maldade, reversão, desvio, anulação, potencialização, cobrança, correção, direcionamento, etc).  Muitas pessoas que acendem velas se perguntam: "Olha como minha vela ficou", o que isso quer dizer? Para responder essa pergunta primeiro é necessário levantar quais variáveis borram uma vela. Sua vela pode borrar por estar exposta ao vento (ventilador, janela aberta, porta aberta, alguém que passou correndo, etc), pode

POR QUE OS ORIXÁS COBREM O ROSTO NO CANDOMBLÉ?

Foto de Oxum Recebi esta pergunta de um internauta neste mês de junho e embora o nosso blog seja voltado ao estudo da doutrina espírita, é sempre muito válido estudarmos as outras religiões espíritas. Conhecimento nunca é demais! Para responder a esta pergunta vamos ter que recorrer a um pouco de "História". Há muito tempo atrás, em especial na África, os primeiros reis e rainhas eram tidos como sagrados, como se fossem seres escolhidos pelos deuses para reinar na terra e, portanto, muito elevados em relação ao seu clero, sua população, povo, etc. Elevados ao ponto destes não serem dignos de verem os seus rostos.  Nas roupas de santo do Candomblé, muitas nações em cobrem os rostos dos filhos com Adês (Coroas) análogas a da realeza. Muitas delas acompanham uma espécie de cortinas em forma de franja de miçangas (Imbé), como respeito ao Orixá e de certa forma dizendo que não somos dignos de ver o seu rosto quando incorporado em terra. A derivação de outros materia