Pular para o conteúdo principal

TRONO FEMININO DO CONHECIMENTO - POR EDUARDO DE OXOSSI

Texto elaborado pelo Pai Eduardo de Oxossi - mantenha a referência do Blog Baiano Juvenal!


Obá é a Orixá feminino do trono do conhecimento na Umbanda Sagrada.

Obá na Umbanda é frequentemente associada a terra fresca terra das matas, terra fresca de plantas, terras férteis e fins, deixando as terras secas reservadas à Omolu e Obaluaê. No Candomblé Obá é associada às águas revoltas, águas barrentas e avermelhadas, águas que se manifestam com fúria e de natureza implacável. Seja terra ou água, Umbandas e Candomblés concordam que Obá está presente exatamente naquele encontro (água/terra), em especial, nas terras úmidas avermelhadas ou águas turvas barrentas.  


Obá é uma Orixá guerreira, representa as ancestrais mulheres amazonas cuja aldeias inteiras foram construídas, lideradas e mantida por mulheres. Obá representa a concentração do conhecimento, a resistência, a disciplina, o foco, a garra, a determinação, a força de vontade motivada pelo “querer”, pelo compromisso de se chegar em um determinado objetivo, podendo por muitas vezes transformar-se em teimosia.

O Trono Feminino do Conhecimento em si é o mistério concentrador de Deus, ou seja, é aquele que nos permite absorver e concentrar o conhecimento e usá-lo ao nosso favor e da evolução humana.

Esta energia é fundamental para dar foco aos seres humanos e para isso, precisamos trabalhar a rigidez das escolhas, em outras palavras, imaginem que eu queira passar no vestibular de determinada faculdade pública, pois não tenho condições financeiras para pagar uma faculdade privada e estabeleça como estratégia que vou estudar 2h por dia todas as terças e quintas até chegar o vestibular, neste cenário, a minha motivação, o meu foco em passar no vestibular se torna inflexível e inegociável a outra (s) situação (ões) que me façam desviar da minha rota.


A Força que me mantem fiel no objetivo, que me ajuda a resistir às tentações de sair dos meus caminhos é encontrada no trono feminino do conhecimento, principalmente no tocante a aprender a “dizer não”.

Para manter o foco nos estudos por exemplo, precisaremos trabalhar em determinada pessoa a capacidade de se comprometer com aquele horário de estudo, de não negociá-lo, não trocá-lo por nada, principalmente se de natureza fútil ou concorrente ao objetivo que se pretende atingir com o comportamento de estudar.

Demos aqui o exemplo de estudos, mas poderia ser focado em parar de fumar, focado em construir sua casa, focado em aprender um idioma, focado em aprender a cozinhar, focado em comprar um carro e assim por diante.


Por vezes na vida, precisamos de força para nos manter firmes em nossos planos, metas, caminhos, ideais e para isso, teremos que contar com a força deste trono de Deus. Existem momentos na vida para tudo, inclusive para focar, falar sério, para percorrer por exemplo, os 5 anos de uma faculdade, os 6 meses de um curso, os passos para tirar a carteira de habilitação, o trabalho duro antes das férias, o pagamento fiel das 300 parcelas de um apartamento e assim por diante.

Obá é tida como teimosa, pois por vezes, precisamos da teimosia para permanecer nos caminhos que queremos. O que não é saudável, é manter-se teimoso em um caminho que vá nos prejudicar ou prejudicar o próximo.

Podemos e devemos usar a energia deste trono para:

- Combater problemas de memória (fortalecendo a concentração do conhecimento adquirido);

-Combater problemas que tem tirado/comprometido a atenção e foco das pessoas;

- Fortalecer foco (nos estudos, no trabalho, no relacionamento, etc);

- Ampliar energias de resistência, resiliência, força, disciplina, garra e afins nas pessoas.

 

CARACTERÍSTICAS DO TRONO FEMININO DO CONHECIMENTO

 


Trono: Feminino do Conhecimento

Orixá regente: Obá

Sincretismo religioso: Joana Darc

Dia de Obá: 30 de Maio

Dia da semana: Quarta-feira

Cor de Vela: No T.U.S. Caboclo Pena Verde e Flecheiro de Aruanda utilizamos o Rosa claro e/ou o Magenta, mas há variações para Vermelho, Marrom e afins.

Fio de conta: Magenta/Rosa.

Banhos e Ervas: Dandá da Costa, Buchinha do Norte, Folhas de Pitanga, Cascas de Jurema Preta, Peregun Roxo, Folhas de Rabanete, Coentro, Mulata, Hortelã, Pata de Vaca, Rosa e flores cor de rosa, Gengibre, etc.

Saudação: Na nossa casa utilizamos “Obá Xire”, que representa a força guerreira de Obá, orixá feminina ligado à justiça, à liderança, à prosperidade e à proteção.

Campo de força: Campos de águas revoltas, campos de terras frescas e úmidas.

Animais que representam a presença de Obá: Ganso e Galinha de Angola.

Número: 2

Bebida: vinho escuro seco.

Comidas: rabanetes, beterraba, batata doce, pitaia, atemoia, gengibre, cará, inhame, mandioca, feijão fradinho com camarão e azeite de dendê, doce de mocotó (rosa).

Elementos de Obá: Espada, escudo, terra, fitas de cetim rosa, pembas e panos rosa, pedras rosa, flores rosa, etc.

Verbos ligados a Obá: Concentrar, Disciplinar, Focar, Fixar, Internalizar, Aprender, Aplicar, Resistir, Determinar, Manter, Fixar, Conseguir, Motivar, alcançar, etc.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHOS COM CABEÇA DE CERA NA UMBANDA

INTRODUÇÃO A Cabeça é o lugar mais sagrado para o Umbandista. É ali que vive o seu Ori, sua coroa, sua mente, seu cérebro, o início dos seus chacras, etc. Trabalhos com cabeça de cera devem ser feitos por pessoas experientes e fundamentadas. Na dúvida sobre o que ou como fazer, sempre consulte o pai de santo de sua confiança.  CABEÇA DE CERA PARA OXUM: PEDIDOS E PROMESSAS Oxum é muito conhecida por receber cabeças de cera em seus trabalhos, seja ele para amor (embora a Umbanda em si seja contra trabalhos de amarrações) ou para outros pedidos.  Em São Paulo está localizado o Santuário de Aparecida do Norte. Lá é recebido diariamente muitas peças de cera em pedido ou agradecimento de graças alcançadas por seus fiéis.  Podemos fazer cabeça de cera para cura, para melhorar os pensamentos, clarear as ideias, etc.  CABEÇA DE CERA COM YEMANJÁ: CALMA, LIMPEZA E DISCERNIMENTO.  Yemanjá é a mãe de todos. Este trabalho é indicado para acalmar alguém que encontra-se

BANHO DE ÁGUA DE COCO PARA DESENVOLVIMENTO NA LINHA DE BAIANOS

INTRODUÇÃO Na Umbanda a palavra "desenvolvimento" remete aos médiuns recém integrados ao processo de espiritualização, ou seja, processo em que as pessoas dedicam-se a descobrir seus guias, seus mentores espirituais, seus Orixás regentes, seus dons mediúnicos (em maior frequência a incorporação), etc. O desenvolvimento que uma pessoa precisa para se tornar um médium de Umbanda dura períodos diferentes para cada um, o que significa que cada um tem o seu tempo. A qualidade de um médium não advêm se ele passou a incorporar em um ou dois meses, mas sim, o quanto há de qualidade na conexão deste com os guias e mentores espirituais.  O desenvolvimento na Umbanda leva responsabilidades de estudo teórico (fundamento, doutrina, história, elementos de magia, elementos dos guias, linhas de força, etc) e sessões práticas (giras, trabalhos particulares, grupos de oração, trabalhos nas matas, etc).  Uma pessoa que inicia o processo de desenvolvimento mediúnico, muda sua ro

NOMES DE MARINHEIROS E MARINHEIRAS NA UMBANDA

A Umbanda é uma religião 100% brasileira que se utiliza de conceitos de outras religiões como as religiões indígenas, o espiritismo, o catolicismo, etc. Como tal, apresenta uma ampla linha de trabalho pautada em diferentes culturas. Uma delas é a linha de marinheiros regida diretamente por Yemanjá e indiretamente por outros Orixás (Dependendo de onde aquele marinheiro é). Algumas casas de Umbanda tratam a linha de Marinheiro como vibração direcionada a Linha D'Agua: Oxum (Marinheiros de águas doces), Yemanjá (Marinheiro dos mares), Nanã (Marinheiro de águas turvas), Yansã (Marinheiro de águas agitadas e tempestades). Mas nada impede de termos um marinheiro ligado aos outros orixás: Pescadores (Oxossi/Yemanjá/Oxum), soldados da marinha (Ogum), profissionais e mercadores do porto (Oxossi), etc. Já o Candomblé segue nações (Ketu, Gêge, Nago) e como tal, sua doutrina antecede a Umbanda (religião criada posteriormente) e nem todas elas reconhecem a linha de marinheiros, a