Pular para o conteúdo principal

CORES DOS ORIXÁS NA UMBANDA SAGRADA

Cores de guias dos Orixás na Umbanda
Por RUBENS SARACENI
Texto extraído do Livro ” Formulário de Consagrações Umbandistas”, Editora Madras.



Cores de guias e colares é um assunto recorrente. Consagrar uma guia, como são chamados os colares dentro da Umbanda, é um procedimento correto, pois somente estando consagrado poderá ser usado como protetor ou instrumento mágico nas mãos dos Guias Espirituais.

O procedimento regular tem sido o de lavá-los (purificação), de iluminá-los com velas (energização) e de entregá-los nas mãos dos Guias Espirituais para que sejam cruzados (consagração).
Eventualmente são deixados nos altares por determinado número de dias para receber uma imantação divina que aumenta o poder energético deles.

Os Guias Espirituais sabem como consagrá-los espiritualmente, imantando-os de tal forma que, após cruzá-los, estão prontos para ser usados pelos médiuns como filtros protetores ou pelos seus Guias como instrumentos mágicos, ainda que só uma minoria utilize efetivamente com essa finalidade.

A maioria prefere usar como para raio protetor ou descarregador das cargas energéticas negativas trazidas para dentro dos locais de trabalhos espirituais pelos seus consulentes.  Os procedimentos consagratórios dos colares usados pelos umbandistas têm sido estes e poucos têm mais alguns outros.

Eles têm ajudado os médiuns durante seus trabalhos e auxiliado os consulentes a se proteger das pesadas projeções fluídicas que recebem de pessoas ou espíritos no dia a dia. Mas esses cruzamentos ou consagrações, com finalidades específicas e com imantação espiritual, são apenas o lado aberto ou esotérico e, numa escala de 0 a 100, só obtêm 10% do poder dos mesmos objetos que, se forem consagrados internamente ou receberem uma consagração completa, terão 100% de poder.

Normalmente, consagram-se ou cruzam-se colares a pedido dos Guias Espirituais e cada linha tem suas cores de guias iguais às dos seus Orixás regentes. Como algumas cores de guias mudam conforme a região, então eventuais alterações de cores impedem a uniformização da identificação dos Orixás simbolizados nos colares usados pelos médiuns.  Na confecção dos colares, algumas regras devem ser seguidas:

1ª — Os colares dos Orixás costumam ser de uma só cor. Todavia, a doutrina de cada casa deve prevalecer sempre. 

2ª — Há algumas exceções (Obaluayê = preto e branco), (Omolu = preto, branco e vermelho), (Nanã = branco, lilás e azul claro), (Exu = preto e vermelho; preto; vermelho), (Pombagira = vermelho; preto e vermelho; dourado).

3º - Não é porque cada casa tem a sua doutrina que pode tudo. Por exemplo: não existe colar de Oxalá preto com vermelho. 

Enfim, há certa flexibilidade no uso das cores de guias e colares consagrados aos Orixás na Umbanda. E isso se deve ao fato de que eles, na verdade, irradiam-se em padrões vibracionais diferentes e em cada um mudam as cores das energias irradiadas.

Então, não podemos dizer que estão erradas as cores usadas na Umbanda. Apenas cremos que deveríamos padronizá-las e não recorrer ao uso individual delas.  Para a Umbanda, vamos dar as cores das guias mais usadas ou aceitas pela maioria:

• Oxalá = branca
• Nanã = lilás ou roxo
• Iemanjá = azul leitoso
• Omolu = branco-preto-vermelho
• Ogum = vermelho ou azul escuro
• Obaluayê = branco-preto ou lilás
• Xangô = marrom
• Exu = preto ou preto e vermelho
• Iansã = amarelo ou vermelho
• Pombagira = vermelho ou vermelho e preto
• Oxum = azul escuro, amarelo ou rosa
• Oxóssi = verde
• Obá, Oxumaré, Oyá-Tempo (Logunan) e Egunitá (Oroiná) não são cultuados regularmente em todos os tipos de Umbanda, aparecem mais na Umbanda Sagrada.

Como na Umbanda não são cultuados regularmente, alguns Orixás foram incorporados por nós, pois ocupam polos energo-magnéticos nas Sete Linhas de Umbanda. Então vamos dar as suas cores:

• Egunitá (Oroiná) = laranja
• Oyá-Tempo (Logunan) = fumê/cinza ou azul escuro
• Obá = magenta
• Oxumaré = azul-turquesa / verde florescente ou colorida

Recomendamos que os umbandistas passem a usar colares de pedras naturais sempre que possível, porque só eles (e todos os elementos naturais) conseguem absorver e segurar as imantações divinas condensadas nas suas consagrações “internas”.  Então, aqui há uma relação das pedras dos Orixás para seguir as cores de guias:

• Oxalá = quartzo transparente e cristal
• Oiá-Tempo = quartzo fumê
• Oxum = ametista ou quartzo rosa
• Oxumaré = quartzo azul ou fluorita
• Oxóssi = quartzo verde
• Obá = madeira petrificada
• Xangô = jaspe marrom
• Egunitá (Oroiná) = ágata de fogo ou citrino
• Ogum = granada
• Iansã = citrino ou pedras avermelhadas
• Obaluayê = quartzo branco e turmalina negra
• Nanã = ametrino
• Iemanjá = água-marinha
• Omulu = ônix preto — ônix verde
• Exu = ônix preto — hematita — turmalina negra
• Pombagira = ônix — ágata

Outras pedras podem ser usadas, pois a variedade de espécies é grande, assim como é a de cores das guias em cada espécie.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHOS COM CABEÇA DE CERA NA UMBANDA

INTRODUÇÃO A Cabeça é o lugar mais sagrado para o Umbandista. É ali que vive o seu Ori, sua coroa, sua mente, seu cérebro, o início dos seus chacras, etc. Trabalhos com cabeça de cera devem ser feitos por pessoas experientes e fundamentadas. Na dúvida sobre o que ou como fazer, sempre consulte o pai de santo de sua confiança.  CABEÇA DE CERA PARA OXUM: PEDIDOS E PROMESSAS Oxum (Nossa senhora de aparecida) é muito conhecida por receber cabeças de cera em seus trabalhos, seja ele para amor (embora a Umbanda em si seja contra trabalhos de amarrações) ou para outros pedidos.  Em São Paulo está localizado o Santuário de Aparecida do Norte. Lá é recebido diariamente muitas peças de cera em pedido ou agradecimento de graças alcançadas por seus fiéis.  Podemos fazer cabeça de cera para cura, para melhorar os pensamentos, clarear as ideias, etc.  CABEÇA DE CERA COM YEMANJÁ: CALMA, LIMPEZA E DISCERNIMENTO.  Yemanjá é a mãe de todos. Este trabalho é indicado para ac

VELAS E SUAS DEFORMAÇÕES: "MINHA VELA BORRADA, O QUE ISSO QUER DIZER?"

INTRODUÇÃO A Umbanda é uma religião que trabalha com energia, portanto, ela pode se movimentar de ponta a ponta, de forma neutra ou intencionada. Sendo intencionada, podemos identificá-la como positiva ou negativa, recebida ou negada, desviada, redirecionada, etc. Se formos olhar a definição de dicionário, "energia" nada mais é do que a capacidade de um corpo, objeto ou molécula realizar seu trabalho. Se formos pensar em "energia de vela", seria a capacidade que a vela tem de executar o seu trabalho (quebra demanda, proteção, maldade, reversão, desvio, anulação, potencialização, cobrança, correção, direcionamento, etc).  Muitas pessoas que acendem velas se perguntam: "Olha como minha vela ficou", o que isso quer dizer? Para responder essa pergunta primeiro é necessário levantar quais variáveis borram uma vela. Sua vela pode borrar por estar exposta ao vento (ventilador, janela aberta, porta aberta, alguém que passou correndo, etc), pode

MAGIAS COM MAÇÃ NA UMBANDA

A maçã é uma fruta afrodisíaca com diversos benefícios para o organismo humano. Ela combate o envelhecimento, ajuda no controle do hálito, controle de diabetes (por ser rica em pectina), controle do colesterol, etc. No geral, frutas com a polpa branca, como maçã e pera, podem reduzir o risco de uma pessoa sofrer um acidente vascular cerebral (AVC). Esta é a conclusão de um estudo feito pela Universidade de Wageningen, na Holanda, em que foram acompanhadas 20.069 pessoas, entre as idades de 20 e 65 anos.  A pesquisa levou dez anos para ser desenvolvida. Após este período, os pesquisadores viram que as pessoas que mais comiam alimentos de polpa branca de frutas e legumes tinham 52% menos chances de ter um AVC. Apesar de deixarem claro que é preciso ter mais estudos para confirmar as descobertas, os estudiosos afirmam que o consumo de uma maçã por dia, reduz o risco em cerca de 40% (Fonte: Ciclovivo.com.br). A Maçã ainda é indicada para combater problemas respiratórios