Pular para o conteúdo principal

OXALÁ, NANÃ, YEMANJÁ, OXUM E OMOLU: DA VIDA À MORTE!


Olorum (Deus) delegou a Oxalá (Jesus Cristo) a criar a terra e povoá-la. Quando Oxalá foi incumbido desta missão, ele tentou criar os homens com água, mas era muito volúvel, tentou com a areia, mas era seca, tentou com o vento, mas era indomável, tentou com o fogo, mas era instável. Então, procurou a mais velha dos Orixás: Nanã Buruquê.

Esta por sua vez, lhe ofereceu o barro exigindo que quando os homens morressem aquele material lhe fosse devolvido (daí a analogia "do pó viemos e ao pó retomaremos"). Oxalá tinha então a incumbência de criar o homem, tinha o barro para fazer, mas ainda faltava alguma coisa.

Então recorreu a Yemanjá a mãe de Todos pedindo que colocasse naquele boneco de barro a vida (uma alma) e uma mente (a cabeça, o Ori). Para fecundar esta energia, recorreu a deusa do Amor Oxum a guardiã do ventre materno para que este homem (do sagrado barro, do sagrado Ori) nascesse como fruto do amor verdadeiro. 

Com este trabalho a 4 mãos (Oxalá>Nanã>Yemanjá>Oxum) nasce o homem. Em terra ele cresce, interage, vive, evolui e quando chega a sua hora de desencarnar é recolhido por Omolu (Morte) para que retorne as suas origens (Espírito para Yemanjá, o corpo físico para Nanã, etc). 

Temos então Omolu na vibração da morte, do cemitério, da putrefação, do Umbral, dos desencarnados, etc. No Candomblé Omolu é a figura de Obaluaê velho. Na Umbanda, Omolu é um Orixá que cuida do trono da geração com Yemanjá, neste sentido, a vida começa com Yemanjá no plano espiritual, se materializa com Nanã, nasce com Oxum e morre com Omolu. 

Em outras palavras, o trono da geração transita e gera o homem do seu nascimento à sua morte espiritual. Estas lendas são utilizadas para explicar eventos científicos que na antiguidade não haviam condições de serem esclarecidos. Quando estudados com determinação, podemos observar que a sabedoria dos nossos antecestrais prevalece até hoje.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHOS COM CABEÇA DE CERA NA UMBANDA

INTRODUÇÃO A Cabeça é o lugar mais sagrado para o Umbandista. É ali que vive o seu Ori, sua coroa, sua mente, seu cérebro, o início dos seus chacras, etc. Trabalhos com cabeça de cera devem ser feitos por pessoas experientes e fundamentadas. Na dúvida sobre o que ou como fazer, sempre consulte o pai de santo de sua confiança.  CABEÇA DE CERA PARA OXUM: PEDIDOS E PROMESSAS Oxum (Nossa senhora de aparecida) é muito conhecida por receber cabeças de cera em seus trabalhos, seja ele para amor (embora a Umbanda em si seja contra trabalhos de amarrações) ou para outros pedidos.  Em São Paulo está localizado o Santuário de Aparecida do Norte. Lá é recebido diariamente muitas peças de cera em pedido ou agradecimento de graças alcançadas por seus fiéis.  Podemos fazer cabeça de cera para cura, para melhorar os pensamentos, clarear as ideias, etc.  CABEÇA DE CERA COM YEMANJÁ: CALMA, LIMPEZA E DISCERNIMENTO.  Yemanjá é a mãe de todos. Este trabalho é indicado para ac

VELAS E SUAS DEFORMAÇÕES: "MINHA VELA BORRADA, O QUE ISSO QUER DIZER?"

INTRODUÇÃO A Umbanda é uma religião que trabalha com energia, portanto, ela pode se movimentar de ponta a ponta, de forma neutra ou intencionada. Sendo intencionada, podemos identificá-la como positiva ou negativa, recebida ou negada, desviada, redirecionada, etc. Se formos olhar a definição de dicionário, "energia" nada mais é do que a capacidade de um corpo, objeto ou molécula realizar seu trabalho. Se formos pensar em "energia de vela", seria a capacidade que a vela tem de executar o seu trabalho (quebra demanda, proteção, maldade, reversão, desvio, anulação, potencialização, cobrança, correção, direcionamento, etc).  Muitas pessoas que acendem velas se perguntam: "Olha como minha vela ficou", o que isso quer dizer? Para responder essa pergunta primeiro é necessário levantar quais variáveis borram uma vela. Sua vela pode borrar por estar exposta ao vento (ventilador, janela aberta, porta aberta, alguém que passou correndo, etc), pode

POR QUE OS ORIXÁS COBREM O ROSTO NO CANDOMBLÉ?

Foto de Oxum Recebi esta pergunta de um internauta neste mês de junho e embora o nosso blog seja voltado ao estudo da doutrina espírita, é sempre muito válido estudarmos as outras religiões espíritas. Conhecimento nunca é demais! Para responder a esta pergunta vamos ter que recorrer a um pouco de "História". Há muito tempo atrás, em especial na África, os primeiros reis e rainhas eram tidos como sagrados, como se fossem seres escolhidos pelos deuses para reinar na terra e, portanto, muito elevados em relação ao seu clero, sua população, povo, etc. Elevados ao ponto destes não serem dignos de verem os seus rostos.  Nas roupas de santo do Candomblé, muitas nações em cobrem os rostos dos filhos com Adês (Coroas) análogas a da realeza. Muitas delas acompanham uma espécie de cortinas em forma de franja de miçangas (Imbé), como respeito ao Orixá e de certa forma dizendo que não somos dignos de ver o seu rosto quando incorporado em terra. A derivação de outros materia